Rádio Web Divina Adoração

relojes web gratis

domingo, 15 de fevereiro de 2015

Acessem para ouvir os melhores louvores www.tribunagospelfm.com   só louvores sem nenhuma interrupção para intervalo

domingo, 18 de agosto de 2013

Para Meditar

Boa Semana a todos.

Boa Noite!!!

Amigos!! Segunda feira chegando, quero desejar a todos uma semana cheia de bênçãos, e mesmo que você passe por lutas, não deixe nada interromper sua comunhão com Deus, pois só assim certamente serás mais que vencedor, por aquele que nos amou - Cristo Jesus.

Pense nisso e viva feliz

Pr. Flávio.

terça-feira, 13 de agosto de 2013

boa tarde !!!



Porventura pode uma mulher esquecer-se tanto de seu filho que cria, que não se compadeça dele, do filho do seu ventre? Mas ainda que esta se esquecesse dele, contudo eu não me esquecerei de ti. IS 49:15



Nunca se sinta só, pode todos deste mundo te esquecer ou até mesmo te abandonar por completo, O senhor nunca esqueçerá de ti, Ele é teu sustento, tua força, teu alento, Ele é capaz de te carregar no colo nos momentos de angustia e na hora que você se achar impossibilitado de andar, o verso acima retrata bem a situação humana, uma mãe é que tem o maior cuidado com os filhos e é capaz de tudo para defendê-los, mas mesmo assim algumas podem esquecer o filho ou abandoná-lo, já Deus é diderente Ele está sempre presente e nunca nos abandona seja qual for a situação. Levante a cabeça e lembre-se, voce não está só, prossiga tem muito ainda pra você alcançar....



Pense nisso e viva feliz.



Pr Flávio

sábado, 10 de agosto de 2013

"Entrega o teu caminho ao Senhor; confia nele, e ele tudo fará." Sl. 37:5

Entregar o teu caminho ao Senhor é saber que no momento que todos te abandonarem você terá um braço forte pra te socorrer, porque o Senhor te acolherá.
Entregar o teu caminho ao Senhor é saber que você nunca perderá uma batalha mais será um vencedor porque  maior é que esta com você.
Entregar o teu caminho ao Senhor é saber que  Ele tem sempre o melhor pra te dar.
Entregar o teu caminho ao Senhor é ter a certeza que Ele enxugará de teus olhos todas as lágrimas, e seu  pranto  se tornará em riso.
Entregar o Teu caminho ao Senhor é ter a certeza, que nada e ninguém poderá destruir teus sonhos.
Entregar o Teu caminho ao Senhor é saber que sempre estarás seguro mesmo em meio as tempestades.
Enfim, Entregar o teu caminho ao Senhor é ter a certeza que tudo aqui é passageiro mais existe um lugar melhor que o Senhor já conquistou por nós na Cruz.. Por isso ele disse  eu vou preparar vos lugar e por fim nos levaria para que onde Ele estivesse poderemos estar também.    

Pense nisso e viva  feliz

Pr. Flávio
                                                                             

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Para Refletir

Bom dia !!



Mateus 22:37-39.

"E Jesus disse-lhe:amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, e de toda tua alma, e de todo o teu pensamento.
Este é o primeiro grande mandamento.
E o Segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo."


Cumprir esses mandamentos requer de nós atitudes principalmente renuncias que se não nos dedicarmaos nos tornamos meros expectadores achando que estamos fazendo o certo e as vezes estamos amando a Deus só de palavras e não de coração, o Senhor requer mais de mim e de você, atitudes tais como: Obediência, dedicação, trabalho, renuncia enfim a nossa ações vão demonstrar se realmente amamos a Deus ou não. Amar o próximo como a mim mesmo, é nas horas boas alegrar-se com ele, mais nas horas difíceis e de dores chorar tambem com ele, viver junto com meu próximo a dificuldade o problema a luta, é ser o braço de ajuda a quem precisa. Quem diz que ama a Deus deve amar tambem seu irmão (próximo).

Vamos viver juntos as verdades biblicas para termos uma vida de vitória.



Ótima sexta feira a todos.



Pense nisso e viva feliz



Pr. Flávio

quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Reflexão Para nosso dia ......

Bom dia



"bem aventurados os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o reino dos Céus."



Quando leio este verso lembro-me de um personagem muito importante da Igreja dos primeiros séculos chamado Estevão - Diácono, pregador, Mártir do cristianismo, que foi perseguido cruelmente e segundo a Bíblia morreu apedrejado pela sua fé, mas não deixou de ser fiel mesmo diante dos algozes que estavam lhe acusando por falsos testemunhos contra ele, até pelo que não havia feito, mais o importante de tudo isso que na hora de sua morte estevão viu o Céu aberto e o Filho do homem diante do Pai, e já agonizando pediu ao Senhor que não lhe imputasse esse pecado. Um exemplo claro de perseguição mas tambem de persistência na Fé no Deus que ele cria, o que fazia de Estevão homem capaz de suportar tudo assim? 1º: Pela sua fé e 2º: por ser cheio do Espirito Santo. Será que Nós seríamos capaz de suportar tamanha afronta? estamos sujeitos a passa...r por lutas problemas e dificuldades mais se permanecermos firmes herdaremso a coroa de Glória assim como Estvão. Quer viver uma vida de vitória? Continue firme crendo que Deus tem o melhor pra nós.



Pense nisso e viva feliz



Pr. Flávio

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Vale a pena meditar nessa reflexão

boa noite



Vida Próspera só em Deus, Certa vez Davi ja no final de sua vida falou a seu filho salomão que se Ele quizesse prosperar em Tudo quanto fizesse e por quer que fores, Salomão deveria guardar a observancia do Senhor teu Deus, Guardar os Estatutos, guardar aos mandamentos e os seus Juizos e os seus testemunhos, I Rs 2:1-4 alguns segredos que se nós tambem colocarmos em prática poderemos ter uma vida de sucesso e prosperarmos em tudo o que fizermos e por onde passarmos.



Pense nisso e viva Feliz



Pr. Flávio

sábado, 3 de agosto de 2013

Leia e creia que já estamos libertos por Cristo de Jesus

A Síndrome da Maldição Hereditária


                               “Como te roguei, quando parti a Macedônia, que ficasse em Éfeso, para advertires a alguns que não ensinem outra doutrina, nem  se dêem a fábulas ou a genealogias intermináveis que mais produzem questões do que edificações de Deus, que consiste na fé: assim o faço agora”. 1 Tm 1.3,4

Vez por outra a família evangélica é atacada por algum modismo teológico pernicioso, antibíblico e inconseqüente e que, por ser diferente ou portar rotulagem chamativa, encanta e em pouco tempo faz muitos adeptos.

O novo surto é o da chamada maldição hereditária, uma doutrina que deixou um saldo negativo nos Estados Unidos, como pessoas frustradas, neurotizadas e outras em tratamento psiquiátrico, já que esse tipo de manipulação não deu resposta às crises da alma e nem mudou circunstâncias para que esperavam nele como revelação última da causa primeira dos males que afligem o indivíduo.

Parece que Paulo prognosticava o dia quando este tipo de doutrina chegaria para produzir “ questões” no meio do povo de Deus. No texto transcrito acima, o apóstolo se refere às genealogias intermináveis” , características da doutrina que tenta explicar os insucessos da vida, nos pecados praticados pelos ancestrais (pais, avós, bisavôs, tataravôs) e não poupa palavras para chamá-la de “outra doutrina”.


Os argumentos da maldição hereditária

A partir de Êxodo 20.5, onde o Senhor diz: “Porque eu o Senhor sou Deus zeloso, que visito a maldade dos pais nos filhos até a terceira e quarta geração daqueles que me aborrecem”, os expoentes da maldição hereditária desenvolvem uma hermenêutica em que julgam explicar a causa de orações não respondidas, bem como de acontecimentos fatídicos em sucessão como alcoolismo, prostituição ou enfermidades congênitas, asseverando tratar-se de maldições herdadas que precisam ser interrompidas pelo ritual de orações específicas de “quebra de maldições”.

Para dar corpo a essa teologia, recorrem a várias porções do Velho Testamento, ignorando duas coisas fundamentais. Primeira, que o Antigo Testamento trata com um povo oriundo de um patriarcado (abraâmico) formando uma só família e, segunda, que esse povo era regido por uma lei específica (mosaica), cujo cumprimento resultava em sansões positivas ou negativas (bênçãos ou maldição enquanto estavam debaixo de um plano divino que não podia ser frustrado.

Textos como Dt 11.26-29; Pv 26.2:; Lv 26.39.42; Ml 4.6; Gl 3.13 e outros são usados numa totalidade aos princípios hermenêuticos. Não revelam o contexto, o pano de fundo histórico cultural, os propósitos específicos de Deus em cada situação e, acima de tudo, o espaço indevido que esta pretensa teologia quer ocupar no escopo geral da doutrina que rege a fé cristã, dando-nos a certeza de que é presunção.

Reforçam, outrossim, seu argumento, pela ilustração de famílias que exibem uma história de tragédias, enfermidades ou traços comportamentais peculiares. Um desses exemplos é o paralelo traçado entre Max Jukes e Jonathas Edwards. O primeiro, um homem perverso que desenvolveu uma linhagem de filhos, netos e bisnetos dados à bebedeira, à prostituição e ao crime, e o segundo que procede do grande pregador Jonathas Edwards, cujos descendentes notabilizam pela fé, intelectualidade e a respeitabilidade ao contar, inclusive, com um vice-presidente dos Estados Unidos.

Nos seus meandros, a doutrina da maldição hereditária desperta seus clientes para algumas práticas que fazem parte do seu jogo de amaldiçoar e de libertar. Uma delas é chamada cura interior, onde a pessoa tem que libertar seus recalques pela lembrança e confissão de pecados guardados no inconsciente. Para dar curso às origens, praticam regressão mental até a idade uterina. Outra prática é a de pronunciar bênçãos, pois crêem que há poder mágico nas palavras. Se um pai, descuidado, numa hora de ira, disser ao seu filho que se recusa a fazer os deveres escolares de casa: “ Você é um preguiçoso, menino, não vai ser nada na vida” , saiba que o seu filho terá interrompido ai a garantia de seu sucesso, a menos que em tempo esse pai se retrate e faça uma confissão positiva sobre o filho, pois a última declaração cancela a anterior. Em suma, sua palavra é tão poderosa quanto a de Deus.



Por que este ensino é legítimo?

1º) Nenhum ensino destinado à vida da igreja deixa de constar no Novo Testamento. Jesus nunca exigiu que qualquer pecador que fosse a ele, renunciasse os pecados de seus ancestrais. O procedimentos dos apóstolos foi o mesmo. Jamais tocaram neste assunto. Não é possível que o Espírito Santo tivesse omitido esta instrução se fosse necessária à plena libertação dos filhos de Deus. Também não teria deixado esta matéria no obscurantismo durante vinte séculos e só agora viesse trazer à tona por meio de alguns “iluminados”.

2º) Assemelha-se à doutrina dos espíritas no que tange ao “carma” e a dos mórmons que vasculham a história de vida dos antepassados a fim de se redimirem por eles pelo “batismo” pelos mortos”.

3º) Se houvesse um tal poder mágico nas palavras, a língua teria sido consagrada pela generalidade na guerra dos interesses humanos, prescindindo de qualquer outro instrumento ou arma para derrotar o concorrente. A proposta de Lúcifer (Gn 3.5) não seria como Deus.

4º) Seu apelo maniqueísta de que todo mal procede do diabo oblitera a relativização do bem e do mal oriundos da soberana vontade de Deus. O que para nós parece ser mau, como lutas e precações, pode ser um bem aos olhos de Deus, que tem seus próprios métodos de tratar com seus filhos. Além do mais, as maldições prometidas no Antigo Testamento não recairão sobre os desobedientes por ação de satanás, mas do próprio Deus. Leia os textos dados.

5º) Para ser específico, o texto carro chefe (Ex.20.5) trata da maldição futura no caso de pecado de idolatria para com os descendentes de Abraão.

6º) A maldição no templo da lei visava coibir os crentes contra a possibilidade de se desviarem para outros deuses, mas: Cristo nos resgatou da  maldição da lei, fazendo-se maldição por nós...” Gl 3.23. Portanto, em  cRisto, o assunto da maldição já está encerrado.


7º) No Antigo Testamento, desenvolveu-se a crença na maldição hereditária como folclore (cultura popular espontânea) e não como revelação.
Ezequiel profetiza contra isto e proíbe o povo de repetir o que ele chama de provérbio ou parábola. “Que tendes vós, vós que dizeis esta parábola: Os pais comeram uvas verdes e os dentes dos filhos se embotaram. Vivo eu,  diz o Senhor Jeová, que nunca mais direis esta parábola em Israel”. Ez 18.2,3. Jeremias faz o mesmo e anuncia um tempo quando a lei da maldição hereditária (de Ex. 20.5, pela idolatria) seria trocada por uma aliança melhor. Jr 31.29-33.

8º) Para reforçar a negação divina dessa doutrina, o profeta Ezequiel , o profeta Ezequiel ilustra com uma sucessão familiar de três gerações descombinadas. Um pai bom e cumpridor da lei, um filho mau e descumpridor da lei e um neto avesso do pai, concluindo com uma prevenção à possibilidade de uma indagação reclonária no seu místico povo: “Contudo dizeis: Por que não levará o filho a iniqüidade do Pai? Ora, se o filho proceder com retidão e justiça e guardar todos os meus estatutos e os cumprir certamente viverá. A alma que pecar, essa morrerá; o filho não levará a iniqüidade do pai nem o pai levará a  iniqüidade do filho, a justiça do justo ficará sobre ele e a impiedade do ímpio cairá sobre ele”, Ez 18.19,20.

9º) Outro grande exemplo está na sucessão dos reis de Judá e de Israel. Lê-se com freqüência sobre o comportamento ético-espiritual de cada rei: “Fez o que era reto aos olhos do Senhor”, ou “Fez o que era mau aos olhos do Senhor” e isto em simultaneidade nos herdeiros dos respectivos tronos. Nem sempre o filho era igual ao pai.

10º) Abraão, Isaque e Jacó embora estivessem em condição privilegiada no plano de Deus, para com a nação especial que deles sairia, mentiram. Não foi com “quebra de maldição” via “oração poderosa”, que se mudou isto,mas com a integridade moral na vida de José do Egito.

11º) A crença na maldição hereditária nega a eficácia do Calvário, desconfia dos efeitos do novo nascimento e, antes de se apegar à verdade, desenvolve a superstição entre o povo de Deus reduzindo sua capacidade de pensar e de entender que as tais maldições relacionam-se a aspectos culturais familiares ou arquétipos genéticos (quando se trata de enfermidades congênitas) e não a forças ocultas que incidem espiritualmente sobre as descendências até ao instante de sua respectivas quebras.

12º) Trata-se de “outro evangelho” (2 Co. 11.3,4), “outra doutrina” (1 Tm 1.3,4), nada havendo de ortodoxo, ademais “Se alguém está em Cristo, nova criatura é, as coisas velhas se passaram, eis que tudo novo se fez novo”, 2 Co 5.17.

13º) Se Paulo nos serve modelo por que não fazer como ele? – “... uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que para trás ficam e avançando para as que estão diante de mim, prossigo para o alvo pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus”. Fl.3.12,14.





Pr. Walter Brunelli.